X
X
<svg class="herion-back-to-top"><g><line x2="227.62" y1="31.28" y2="31.28"></line><polyline points="222.62 25.78 228.12 31.28 222.62 36.78"></polyline><circle cx="224.67" cy="30.94" r="30.5" transform="rotate(180 224.67 30.94) scale(1, -1) translate(0, -61)"></circle></g></svg>
luca argel

Revista Visão

Samba de Guerrilha_Revista-Visão

Uma ópera samba em três atos

Samba de Guerrilha_Revista-Visão
Reprodução

Samba de Guerrilha ganha análise elogiosa do colunista Miguel Judas na Revista Visão.

O texto cita as versões arrojadas e inovadoras dos clássicos do samba e destaca a forma de narrativa, costurada por textos que indicam o contexto em que cada samba foi escrito. Além disso, destaca o quanto as velhas questões dos tempos coloniais continuam a se refletir e a condicionar a vida de milhões de pessoas.

“As faixas são antecedidas por uma narração que contextualiza histórica e socialmente cada momento – na voz da rapper luso-angolana Telma Tvon. O contraste entre a voz que canta, de um homem branco brasileiro, e e a que conta, de uma mulher negra e africana é ‘bastante simbólico’, além de resultar muito bem”, avalia o colunista.

Ópera por analogia

Segundo o jornalista,  Samba de Guerrilha foi pensado sobretudo como “uma ópera samba dividida em três atos, através da qual se conta a História do Brasil”.

“Música e literatura cruzam-se nesta “ópera samba”, criada pelo artista carioca”, decreta o colunista.

Clique e Veja o artigo na íntegra

Enfim… A história!

A princípio criado para ser um show, o repertório de Samba de Guerrilha ganhou novos rumos!

Lançado no último mês de fevereiro, o álbum conceitual de regravações está disponível nas plataformas online e, fisicamente, em formato de jornal. Além disso, traz saborosos clássicos do samba em uma narrativa com arranjos reinventados, eletrificados e suingados.

COMPRE E OUÇA SAMBA DE GUERRILHA